Remissão da pena, Patrick Modiano

Remissão da pena, Patrick Modiano

Certos objetos desaparecem de nossa vida ao primeiro momento de desatenção, mas aquela cigarreira permaneceu fiel a mim. Eu sabia que ela sempre estaria ao alcance de minha mão, na gaveta de uma mesinha de cabeceira, em um compartimento do armário, no fundo de uma escrivaninha, no bolso interno de um paletó. Tinha tanta certeza dela e de sua presença que me esquecia dela. Exceto nos momentos de melancolia. Então eu a contemplava sob todos os ângulos. Era o único objeto que testemunhava um período de minha vida do qual eu não podia falar com ninguém e que às vezes me perguntava se realmente tinha vivido.

O trecho acima, que vai à quarta capa do livro Remissão da pena, do ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 2014, Patrick Modiano, publicado pela Editora Record trata das memórias de “Patoche” e o tempo em que, junto com seu irmão, viveu entre pessoas das quais conseguia vislumbrar apenas as nuances ingênuas, característica do olhar infantil frente o mundo.

Lembranças de um dia-a-dia que ele tenta reconstituir a fim de entender quem eram de fato aquelas personagens e o que elas faziam, na Paris de um pouco antes e da Ocupação.

A leitura é fluida, um texto sem picos de tensão, como se fosse uma rememoração melancólica, e resignada com um final já sabido, o de que pouco se conseguirá desvelar do passado, que envolto nesses “não-saberes”, dão o ar de algo sonhado e não vivido. Fugidio.

Contudo, se Patrick – nome real de Patoche –, não consegue decifrar as poucas pistas que ele guarda em sua memória da infância, o leitor consegue descobri-las de seu véu de imprecisão, sem lhe dar, contudo, uma precisão total. O que desvendamos ainda é uma sombra, um pouco mais nítida, apenas. Como a fotografia das árvores em preto e branco da capa do livro, de Thomas D. McAvoy / Getty Images.

Um livro curto, suave e agradável, um espaço que se abre sobre a vida já iniciada e que é interrompida sem ser finalizada. Algo cotidiano, o qual tentamos nos prender a fim de nos constituir enquanto sujeitos com história, passado que seguem, ou pelo menos assim entendemos, uma certa progressão causal, ainda mais no que se refere a personagem, que, como ficamos sabendo, está escrevendo o primeiro livro. A necessidade de coerência narrativa do escritor.


Sobre a edição da Editora Record, a diagramação e os espaçamento entre as palavras não causam desconforto na leitura, porém o acabamento poderia ter sido melhor, o corte de algumas páginas parecem um pouco grosseiro. Já no trabalho editorial, alguns problemas bem pontuais de revisão precisam ser revistos, nada que prejudique a leitura, mas que deve ser trabalhado por uma questão de cuidado com o texto, não por ser de um ganhador de Nobel, mas pela qualidade que a obra tem por si.

remissao-da-pena-thumb

Remissão da pena

Autor: Patrick Modiano
Gênero: Romance Estrangeiro
Páginas: 128
Editora: Record
Preço: R$ 29,00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *