Primeiros contos de Truman Capote, de Truman Capote

Primeiros contos de Truman Capote, de Truman Capote

Primeiros contos de Truman Capote, de Truman Capote, mais conhecido pelo romance adaptado para o cinema Bonequinha de Luxo, com Audrey Hepburn, é uma reunião de 14 contos da fase jovem do autor, e que já revelam em si toda a potência narrativa de Truman.

Estante2

capoteNesses contos percebemos não só a relação do autor com a negritude que o cercava, o que é bem trabalhado no prefácio de Hilton Als, mas aquilo que também o prefacista enxerga como sendo uma inadequação das personagens, uma fratura que os desloca para um não-lugar.

A maioria dessa inadequação é trabalhada em personagens femininas que vivem o dilema de estar em uma situação e querer estar em outra, como o caso da menina que resolve esperar o namorado chegar ao seu encontro, no espaço final que os separa entre o morro e a casa dele ou da mulher negra que tendo se mudado para Nova Iorque não consegue esquecer o Alabama.

Há sempre um tom melancólico e cético e que, a meu ver, não esperamos encontrar em escritores tão jovens como o era Capote, à época em que produziu os textos presentes no volume, que aqui no Brasil é lançado pela Editora José Olympio, do Grupo Editorial Record.

De todos os contos, talvez o que me chame mais atenção seja o primeiro, Despedida, que foge um pouco da personagem feminina como protagonista, trazendo no enredo do conto a relação entre dois amigos de estrada e parceiros de furtos.

Um deles está decidido a voltar para a casa da mãe e a despedida, já anunciada no título, é tocante e pungente, cheia de uma delicadeza que nos é impossível passar incólumes pelos sentimentos de amizade que unem os dois rapazes.

Aliás, rapazes o afastamento deles, de certa maneira, é outro tema que perpassa alguns dos contos de Capote, podendo nos levar a querer associar, bem como a constante de personagens femininas, à homossexualidade dele ou mesmo o seu desejo de ser menina, como ainda nos é dito no prefácio.

O volume ainda conta com um posfácio de David Ebershoff, autor do livro A garota dinamarquesa, que recentemente foi adaptado para o cinema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *